Ncs News - Sharing all countries News |  Web Sitemap - khkyw.com |  Web Sitemap - khkyw.com |  Web Sitemap - khkyw.com | 
SINDPF Nordeste - Sindicato dos Delegados da Polícia Federal
 
24 de Junho de 2010
NOTA DA FENADEPOL - INDICATIVO DE PARALISAÇÃO
06 de Maio de 2010
NOTA DA FENADEPOL - NEGOCIAÇÃO SALARIAL
03 de Maio de 2010
FENADEPOL - CARTA AS(OS) DELEGADAS(OS)
15 de Abril de 2010
COMUNICADO Nº 03 - 2010 - RESULTADO DA MOBILIZAÇÃO
04 de Abril de 2010
SINDPF-NE E ADPF DE PERNAMBUCO ASSINAM NOTA SOBRE CORREIÇÕES NAQUELE ESTADO
 
23 de Setembro de 2016
PF COMBATE FRAUDES EM LICITAÇÕES DE ÓRGÃOS PÚBLICOS NO RN
14 de Setembro de 2016
PF cumpre ordem judicial e prende ex-prefeito de Ielmo Marinho
09 de Setembro de 2016
PF/SE realiza incineração de entorpecentes.
22 de Agosto de 2016
POLÍCIA FEDERAL APREENDE 11 KG DE MACONHA NO MUNICÍPIO DE SIMÃO DIAS
05 de Agosto de 2016
Estrangeiro preso pela PF em Natal é extraditado
Artigos

Quarta-Feira, 09 de Dezembro de 2009
PEC DOS PRECATÓRIOS TEM INCONSTITUCIONALIDADES
Autor: Ives Gandra da Silva Martins

PEC dos Precatórios tem inconstitucionalidades
Por Ives Gandra da Silva Martins

Quando um ministro do período de exceção declarou que o Estado é, necessariamente, aético, ele disse uma verdade que, no Brasil, constitui a essência do exercício do poder. O administrador público brasileiro, em geral, gere mal as contas públicas e é um agente fantasticamente caloteiro, que não cumpre obrigações pecuniárias do Estado para com o cidadão, muito embora, na prática de uma autêntica "vampiragem tributária", retire muito mais recursos do povo do que seria necessário para os maus serviços públicos que presta.

Se um contribuinte deixar de entregar parcela do fruto de seu trabalho ou patrimônio para pagamento de tributo no prazo de vencimento, corre o risco de ser preso. Se o administrador público deixar de pagar o que o Estado deve em virtude de sua má administração, basta recorrer ao Congresso para afastar a obrigação.

O monopólio do calote é oficial, público e reiteradamente praticado, apesar de a Constituição de 1988 garantir o direito de propriedade, há décadas, no país.

União, Estados e municípios que não pagam o que devem em precatórios tornam seus administradores maus gestores e aéticos. E permanecem em conluio com o Parlamento para que o confisco do patrimônio do cidadão seja viabilizado por sucessivas PECs.

Já o "banditismo oficial" é endeusado, gabando-se a "eficiência" de quem deve, mas não paga, nada obstante destinar, pelo Orçamento, fantásticos benefícios aos detentores do poder (burocratas e políticos), com aumentos muito acima da inflação e muito além dos reajustes que têm os cidadãos do segmento não governamental, que trabalham na sociedade.

A nova PEC dos Precatórios mereceria contra seu progenitor e aqueles que a aprovaram no Senado ações popular ou civil pública, por representar violação ao mais rígido princípio constitucional que rege a administração pública, que é o princípio da moralidade, olimpicamente ignorado por seus autores no Congresso.

Pela nova PEC, em vez de pagar, o poder público devedor destinará pequena parcela do orçamento para ser leiloada, todos os anos, recebendo, aqueles que entrarem no leilão, parte ínfima de seu crédito. Se não quiser se submeter ao "assalto público", terá o "direito" de nunca receber, porque nunca haverá dinheiro para pagá-lo.

Se o poder público destinasse apenas o que gasta em desnecessária e, por vezes, ilegal publicidade para pagar o que deve, já teria sido reduzida consideravelmente a inadimplência dos precatórios.

Recentemente, quando recebi a cátedra "Lloyd Braga", na Universidade do Minho, em Portugal, ao narrar em exposição sobre moralidade pública que, no Brasil, os governos não pagam o que devem, mesmo quando condenados, a informação causou espanto.

Na última reunião do Conselho Superior de Direito da Fecomercio, o presidente da Comissão dos Precatórios da OAB, dr. Flávio Brando, relatou fato semelhante -que, ao expor nos Estados Unidos o permanente descumprimento de obrigações pelo poder público, a plateia ficou espantada ao saber que quem deveria dar o exemplo termina por dar a pior das lições, ensinando que, no Brasil, "calote" é uma "técnica" da administração pública.

O projeto de emenda constitucional aprovado no Senado tem, pelo menos, cinco inconstitucionalidades. Viola: o princípio da igualdade, pois tais favores não são estendidos aos contribuintes credores; o princípio da dignidade humana, pelo tratamento humilhante que dá aos credores, confiscando-lhes o patrimônio; o direito à propriedade, com um acintoso "devo, mas não pago"; a coisa julgada, pelo desrespeito às decisões judiciais definitivas; o princípio da razoável duração do processo, já que, se os precatórios não são cumpridos, a prestação jurisdicional não é entregue.

Espero que, se for aprovada definitivamente a referida PEC, o Ministério Público e a OAB ingressem com ação direta de inconstitucionalidade.

Mas espero, principalmente, que os eleitores não reconduzam ao Congresso os parlamentares que defenderam o imoral e indecente calote oficial. É essa a posição oficial do Conselho Superior de Direito da Fecomercio de São Paulo.

[Artigo publicado originalmente pela Folha de S.Paulo desta segunda-feira, 7 de dezembro de 2009]

Ives Gandra da Silva Martins é advogado tributarista, professor emérito das Universidades Mackenzie e UniFMU e da Escola de Comando e Estado Maior do Exército, é presidente do Conselho de Estudos Jurídicos da Federação do Comércio do Estado de São Paulo, do Centro de Extensão Universitária e da Academia Paulista de Letras.


Outros Artigos

Segunda-Feira, 17 de Dezembro de 2012
CONTROLADORIA GERAL DE DISCIPLINA
Sexta-Feira, 23 de Novembro de 2012
Política de Segurança Pública.
Quarta-Feira, 12 de Setembro de 2012
A Democratização da Democracia.
Quarta-Feira, 02 de Maio de 2012
Ética e Direito.
Quinta-Feira, 19 de Abril de 2012
Inquérito Policial. Delegado de Polícia. Fiança, etc...
Segunda-Feira, 12 de Dezembro de 2011
O Julgamento Disciplinar.
Quinta-Feira, 08 de Dezembro de 2011
As excludentes de ilicitude no âmbito da Polícia Judiciária.
Quarta-Feira, 16 de Novembro de 2011
POLÊMICAS SOBRE A CONDUÇÃO COERCITIVA.
Quarta-Feira, 14 de Setembro de 2011
A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública do Estado do Ceará.
Segunda-Feira, 04 de Abril de 2011
Nossa índole macunaímica de ser.
Terça-Feira, 01 de Março de 2011
O Viés Arrecadatório do Delito Tributário.
Sábado, 12 de Junho de 2010
A PF É IMUNE À CIZÂNIA CORPORATIVA
Segunda-Feira, 22 de Março de 2010
REFORMA DEVERIA DIMINUIR NÚMERO DE RECURSOS
Sexta-Feira, 05 de Março de 2010
O INQUÉRITO POLICIAL SOB O INFLUXO LIBERTÁRIO DO ART. 5o. DA CF-88
Sexta-Feira, 05 de Março de 2010
O ART. 5o. E SUA VOC AÇÃO DE RELATIVIDADE
Segunda-Feira, 25 de Janeiro de 2010
O JUIZ DEVE SER UM APÁTICO ESPECTADOR, OU BUSCAR A VERDADE REAL ?
Sexta-Feira, 25 de Dezembro de 2009
POLÍCIA CIDADÃ DEPENDE DO EMPENHO DA SOCIEDADE
Sexta-Feira, 18 de Dezembro de 2009
MP DEVE PROTEGER O INTERESSE DE FORMA CABAL
Terça-Feira, 20 de Outubro de 2009
APOSENTADORIA ESPECIAL - TEMPO FICTO
Quinta-Feira, 03 de Setembro de 2009
CRISE DO INQUÉRITO POLICIAL ?

  SINDPF - Sindicato dos Delegados da Policia Federal - Região Nordeste
Av. Des. Moreira, 2020 - Sala 106 - Aldeota - Fortaleza-CE
CEP: 60.170-002 - Fone/Fax: (85) 3261-2901 / 3261-7963
e-mail: sindpf@sindpf-nordeste.com.br
©2006-2015 - SINDPF Nordeste - Todos os direitos reservados
876488 visitas

by FORTDesign