Ncs News - Sharing all countries News |  Web Sitemap - khkyw.com |  Web Sitemap - khkyw.com |  Web Sitemap - khkyw.com | 
SINDPF Nordeste - Sindicato dos Delegados da Polícia Federal
 
24 de Junho de 2010
NOTA DA FENADEPOL - INDICATIVO DE PARALISAÇÃO
06 de Maio de 2010
NOTA DA FENADEPOL - NEGOCIAÇÃO SALARIAL
03 de Maio de 2010
FENADEPOL - CARTA AS(OS) DELEGADAS(OS)
15 de Abril de 2010
COMUNICADO Nº 03 - 2010 - RESULTADO DA MOBILIZAÇÃO
04 de Abril de 2010
SINDPF-NE E ADPF DE PERNAMBUCO ASSINAM NOTA SOBRE CORREIÇÕES NAQUELE ESTADO
 
23 de Setembro de 2016
PF COMBATE FRAUDES EM LICITAÇÕES DE ÓRGÃOS PÚBLICOS NO RN
14 de Setembro de 2016
PF cumpre ordem judicial e prende ex-prefeito de Ielmo Marinho
09 de Setembro de 2016
PF/SE realiza incineração de entorpecentes.
22 de Agosto de 2016
POLÍCIA FEDERAL APREENDE 11 KG DE MACONHA NO MUNICÍPIO DE SIMÃO DIAS
05 de Agosto de 2016
Estrangeiro preso pela PF em Natal é extraditado
Artigos

Segunda-Feira, 22 de Março de 2010
REFORMA DEVERIA DIMINUIR NÚMERO DE RECURSOS
Autor: Sergio Fernando Moro

Reforma deveria diminuir número de recursos
Por Sergio Fernando Moro

Originalmente publicado no jornal Folha de São Paulo neste sábado (20/3).

Tramita no Congresso projeto para um novo Código de Processo Penal. A iniciativa merece louvor, pois o código vigente, de 1941, precisa de atualizações. Espera-se, porém, que um novo código venha para aprimorar o sistema de Justiça criminal, tornando-o mais célere, mais eficiente e mais justo. Há dúvidas se esse é o caso do projeto.

Em primeiro lugar, o projeto aumentará a morosidade da Justiça. A causa principal da demora é o excesso de recursos, que faz com que um caso seja submetido a até quatro instâncias de julgamento. Seria de esperar, então, que qualquer reforma diminuísse o número de recursos.

Note-se que não se coloca em dúvida o direito de pleitear a revisão de uma condenação, o que diminui os riscos de injustiça. Mas outra questão é admitir recursos contra todas as decisões proferidas no processo, mesmo que não sejam finais e não tragam um prejuízo imediato à parte -as chamadas decisões interlocutórias. E o projeto amplia o cabimento de recursos contra essas decisões.
Pelo projeto, caberá agravo contra todas as decisões na fase de investigação e na de execução da pena. Além disso, prevê-se agravo em outras 16 hipóteses, o que é muito amplo. O procedimento proposto para o agravo é lento, tendo sido copiadas normas do processo civil que foram abandonadas em 1995. O processo ficará atravancado, e os tribunais serão sobrecarregados com recursos contra decisões interlocutórias, impedindo que decidam com rapidez e profundidade recursos contra decisões finais.
Em segundo lugar, o projeto retira do juiz o poder de instrução complementar. Atualmente, a iniciativa de apresentar provas é das partes, acusação e defesa, mas o juiz pode, a bem da reconstrução dos fatos mais próxima da verdade, complementar as provas.
Pelo projeto, partindo de uma tese radical e sem tradição do Direito brasileiro, o juiz só poderá suprir falhas da defesa. Se a acusação esquecer provas, não haverá remédio. O processo penal ficará refém das partes, uma espécie de "laissez-faire" na Justiça.

Em vários países, como Itália (artigo 507 do CPPI), França (artigo 283 do CPPF) e Estados Unidos (regra 614 da "Rules of Evidence"), resguarda-se a iniciativa probatória do juiz, sem exceções, o que deve dizer algo quanto à sua necessidade. Já pelo projeto, o resultado do processo será entregue inteiramente à sorte do duelo entre as partes.

Em terceiro lugar, o projeto nasce velho. No mundo atual da criminalidade complexa, têm um papel importante os métodos especiais de investigação, interceptação telefônica, escutas ambientais, ação controlada, infiltração de agentes e delação premiada.
Desses, o projeto trata apenas da interceptação, esquecendo os demais. O projeto também não regula a colheita de material biológico do acusado para a realização de exame de DNA, que é uma prova de grande importância no mundo contemporâneo em crimes cometidos com violência.

Em quarto lugar, o projeto tem vários pontos problemáticos, e aqui só é possível apontar alguns.

Por exemplo, estabelece prazos máximos de duração da prisão preventiva quando o processo já está em grau de recurso. Apesar da boa intenção, os prazos propostos estão distantes da realidade. Estimularão manobras protelatórias para retardar o julgamento e, com isso, lograr a liberdade pelo decurso do prazo. O projeto ainda restringe a cooperação internacional, confundindo os requisitos desta com os da extradição, com o risco de transformar o país em paraíso de criminosos e do produto de seus crimes.
Também impede a decretação da prisão preventiva com base somente na gravidade do crime, o que significa que mesmo pessoas acusadas de crimes bárbaros poderão permanecer livres durante o processo, e isso independentemente das provas que existirem contra elas.

Se o projeto agrava a morosidade da Justiça, torna o processo refém das habilidades das partes, não regula os métodos modernos de investigação e contém vários pontos problemáticos, é de refletir se não é melhor ficar com o código de 1941 ou se não é necessário maior amadurecimento antes de substituí-lo.


Outros Artigos

Segunda-Feira, 17 de Dezembro de 2012
CONTROLADORIA GERAL DE DISCIPLINA
Sexta-Feira, 23 de Novembro de 2012
Política de Segurança Pública.
Quarta-Feira, 12 de Setembro de 2012
A Democratização da Democracia.
Quarta-Feira, 02 de Maio de 2012
Ética e Direito.
Quinta-Feira, 19 de Abril de 2012
Inquérito Policial. Delegado de Polícia. Fiança, etc...
Segunda-Feira, 12 de Dezembro de 2011
O Julgamento Disciplinar.
Quinta-Feira, 08 de Dezembro de 2011
As excludentes de ilicitude no âmbito da Polícia Judiciária.
Quarta-Feira, 16 de Novembro de 2011
POLÊMICAS SOBRE A CONDUÇÃO COERCITIVA.
Quarta-Feira, 14 de Setembro de 2011
A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública do Estado do Ceará.
Segunda-Feira, 04 de Abril de 2011
Nossa índole macunaímica de ser.
Terça-Feira, 01 de Março de 2011
O Viés Arrecadatório do Delito Tributário.
Sábado, 12 de Junho de 2010
A PF É IMUNE À CIZÂNIA CORPORATIVA
Sexta-Feira, 05 de Março de 2010
O INQUÉRITO POLICIAL SOB O INFLUXO LIBERTÁRIO DO ART. 5o. DA CF-88
Sexta-Feira, 05 de Março de 2010
O ART. 5o. E SUA VOC AÇÃO DE RELATIVIDADE
Segunda-Feira, 25 de Janeiro de 2010
O JUIZ DEVE SER UM APÁTICO ESPECTADOR, OU BUSCAR A VERDADE REAL ?
Sexta-Feira, 25 de Dezembro de 2009
POLÍCIA CIDADÃ DEPENDE DO EMPENHO DA SOCIEDADE
Sexta-Feira, 18 de Dezembro de 2009
MP DEVE PROTEGER O INTERESSE DE FORMA CABAL
Quarta-Feira, 09 de Dezembro de 2009
PEC DOS PRECATÓRIOS TEM INCONSTITUCIONALIDADES
Terça-Feira, 20 de Outubro de 2009
APOSENTADORIA ESPECIAL - TEMPO FICTO
Quinta-Feira, 03 de Setembro de 2009
CRISE DO INQUÉRITO POLICIAL ?

  SINDPF - Sindicato dos Delegados da Policia Federal - Região Nordeste
Av. Des. Moreira, 2020 - Sala 106 - Aldeota - Fortaleza-CE
CEP: 60.170-002 - Fone/Fax: (85) 3261-2901 / 3261-7963
e-mail: sindpf@sindpf-nordeste.com.br
©2006-2015 - SINDPF Nordeste - Todos os direitos reservados
876507 visitas

by FORTDesign