Ncs News - Sharing all countries News |  Web Sitemap - khkyw.com |  Web Sitemap - khkyw.com |  Web Sitemap - khkyw.com | 
SINDPF Nordeste - Sindicato dos Delegados da Polícia Federal
 
24 de Junho de 2010
NOTA DA FENADEPOL - INDICATIVO DE PARALISAÇÃO
06 de Maio de 2010
NOTA DA FENADEPOL - NEGOCIAÇÃO SALARIAL
03 de Maio de 2010
FENADEPOL - CARTA AS(OS) DELEGADAS(OS)
15 de Abril de 2010
COMUNICADO Nº 03 - 2010 - RESULTADO DA MOBILIZAÇÃO
04 de Abril de 2010
SINDPF-NE E ADPF DE PERNAMBUCO ASSINAM NOTA SOBRE CORREIÇÕES NAQUELE ESTADO
 
23 de Setembro de 2016
PF COMBATE FRAUDES EM LICITAÇÕES DE ÓRGÃOS PÚBLICOS NO RN
14 de Setembro de 2016
PF cumpre ordem judicial e prende ex-prefeito de Ielmo Marinho
09 de Setembro de 2016
PF/SE realiza incineração de entorpecentes.
22 de Agosto de 2016
POLÍCIA FEDERAL APREENDE 11 KG DE MACONHA NO MUNICÍPIO DE SIMÃO DIAS
05 de Agosto de 2016
Estrangeiro preso pela PF em Natal é extraditado
Artigos

Segunda-Feira, 04 de Abril de 2011
Nossa índole macunaímica de ser.
Autor: Airton Franco

Nossa índole macunaímica de ser.

Airton Franco, delegado de Polícia Federal aposentado.

Não raras vezes taxamos nossos políticos de cínicos. Tantas são suas atitudes desavergonhadas que, não raro, induz-nos a pensar que o crime compensa, pois entre eles - nossos políticos - tudo parece ser normal, sobretudo nos embates eleitorais quando tudo é válido como modo de prevalecer a melhor versão pública - sempre no interesse deles, que, em sua imensa maioria, fazem da política (com o “p” em minúsculo) um meio de vida - pouco importando se falsa ou se verdadeira tal versão. O que importa é que eles vençam ainda que por efeito dos inúmeros crimes cometidos.

Em suma, quando a questão é política o cinismo é disfarçado pela versão pública “marqueteira” controlada por interesses econômicos e midiáticos que fomentam a discórdia e, paradoxalmente, mantêm o ego da esperança vivo, pois o ser humano é, em essência, desarmônico e contraditório.

É por isto que a história só conhece os loucos e só registra, em regra, as situações que dão errado. Eis nosso eterno modo neurótico de ser!

E assim, atônitos, assistimos, no Brasil, aos frequentes tsunamis de corrupção que se acentuam na incorrigível síndrome do cinismo eleitoral. Felizmente, apesar dos pesares, não temos um mandante eterno da Nação e tampouco um Armageddon autoritário ameaçando o sagrado direito de criticar, apregoando um falso rigor sem se dar conta de sua própria falta de rigor.

Tanto é assim que, a propósito de nota jornalística incisivamente ofensiva contra o Poder Judiciário de Santa Catarina, o ministro Celso de Mello, em recente decisão, com singular acerto, pontuou: “... assegura, a qualquer jornalista, o direito de expender crítica, ainda que desfavorável e mesmo em tom contundente, contra quaisquer pessoas ou autoridades”, e, “... o direito de crítica encontra suporte legitimador no pluralismo político, que representa um dos fundamentos em que se apoia, constitucionalmente, o próprio Estado Democrático de Direito.”.

Entende-se, por conseguinte, o porquê da eleição de nossos Tiriricas. Eis uma forma de evidente protesto. No fundo eles são iguais aos deslavados e cultos, mestres da enganação em dizer sempre que o povão mais quer ouvir e da versão pública conveniente aos reais interesses, raramente legítimos...

Dizemos isto para dizer que, a bem da verdade, não temos razão alguma para reclamar de nossos políticos desonestos. Pois eles nada mais são do que o retrato de nossa índole macunaímica de ser.

Explicamo-nos:

Quem não fala ao celular enquanto dirige; Quem, diante da carga tributária abusiva, não registra no, Cartório, imóvel com um valor abaixo do comprado; Quem, diante do caos de nosso trânsito, não estaciona seu veículo bem debaixo de placas proibitivas; Quem, do modo mais natural, não oferece seu voto pela obtenção (ou sua promessa) de cargo comissionado em favor de pessoa da família; Quem, achando que é perfeitamente normal, não fura fila ou vangloria-se de toda sorte de vantagem camuflada na famosa lei de Gerson; etc...

Bem de vê que o bom exemplo é coisa de se exigir dos outros; de nós não!

Neste sentido, nossos políticos, agora, na ânsia de melhorar sua imagem pública, propalam urgente necessidade das reformas política e tributária.

Não nos iludamos, portanto, que esse negócio de lista fechada é um despautério. De igual modo, o financiamento público de campanha só faz sentido se se mudar a essência do sistema. Como eles não podem legislar em causa própria, qualquer mudança que venham a adotar deve valer, prospectivamente, para, no mínimo, daqui a dez anos.

A questão, em mais, é saber se é possível mudar a essência do sistema político-tributário? A resposta é afirmativa. Basta vontade moral e política. Não foi possível mudar, com amparo na informática, a essência do nosso sistema bancário? Quem não se lembra - acerca de quinze anos passados - de nossa absoluta dependência à burocracia e às filas em Bancos; e hoje resolvemos tudo com um simples cartão eletrônico... Nosso mundo, depois da reforma do sistema bancário, ficou mais fácil e cômodo.

Neste sentido, pensamos que a informática pode automatizar e mudar, por exemplo, com eficiência e segurança, nosso sistema tributário arrecadando e distribuindo automaticamente os tributos conforme as competências constitucionais, acabando, enfim, com essa espúria atuação de políticos, em Brasília, de Ministério em Ministério, correndo atrás da liberação de recursos para atendimento, segundo sustentam, de suas bases ou mesmo de emendas orçamentárias que fomentam inevitável desvio de recursos como modo de assegurar, por tal conduta maquiavélica, suas reeleições...

O reajuste anual do imposto de renda pela internet, afinal, não é um sucesso, sem volta!

Se isto, em essência, não for mudado, nada efetivamente mudará. Tudo quedará como antes. Tudo redundará em discurso de enganação e de versão pública equivocada destinada a manter, incólume, interesses, inda que espúrios...

Enquanto isto, ou seja, enquanto a verdade das palavras não impera, finalizo este artigo com uma frase lapidar de Confúcio: “Quando as palavras perdem seu significado, as pessoas perdem sua liberdade”.



Outros Artigos

Segunda-Feira, 17 de Dezembro de 2012
CONTROLADORIA GERAL DE DISCIPLINA
Sexta-Feira, 23 de Novembro de 2012
Política de Segurança Pública.
Quarta-Feira, 12 de Setembro de 2012
A Democratização da Democracia.
Quarta-Feira, 02 de Maio de 2012
Ética e Direito.
Quinta-Feira, 19 de Abril de 2012
Inquérito Policial. Delegado de Polícia. Fiança, etc...
Segunda-Feira, 12 de Dezembro de 2011
O Julgamento Disciplinar.
Quinta-Feira, 08 de Dezembro de 2011
As excludentes de ilicitude no âmbito da Polícia Judiciária.
Quarta-Feira, 16 de Novembro de 2011
POLÊMICAS SOBRE A CONDUÇÃO COERCITIVA.
Quarta-Feira, 14 de Setembro de 2011
A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública do Estado do Ceará.
Terça-Feira, 01 de Março de 2011
O Viés Arrecadatório do Delito Tributário.
Sábado, 12 de Junho de 2010
A PF É IMUNE À CIZÂNIA CORPORATIVA
Segunda-Feira, 22 de Março de 2010
REFORMA DEVERIA DIMINUIR NÚMERO DE RECURSOS
Sexta-Feira, 05 de Março de 2010
O INQUÉRITO POLICIAL SOB O INFLUXO LIBERTÁRIO DO ART. 5o. DA CF-88
Sexta-Feira, 05 de Março de 2010
O ART. 5o. E SUA VOC AÇÃO DE RELATIVIDADE
Segunda-Feira, 25 de Janeiro de 2010
O JUIZ DEVE SER UM APÁTICO ESPECTADOR, OU BUSCAR A VERDADE REAL ?
Sexta-Feira, 25 de Dezembro de 2009
POLÍCIA CIDADÃ DEPENDE DO EMPENHO DA SOCIEDADE
Sexta-Feira, 18 de Dezembro de 2009
MP DEVE PROTEGER O INTERESSE DE FORMA CABAL
Quarta-Feira, 09 de Dezembro de 2009
PEC DOS PRECATÓRIOS TEM INCONSTITUCIONALIDADES
Terça-Feira, 20 de Outubro de 2009
APOSENTADORIA ESPECIAL - TEMPO FICTO
Quinta-Feira, 03 de Setembro de 2009
CRISE DO INQUÉRITO POLICIAL ?

  SINDPF - Sindicato dos Delegados da Policia Federal - Região Nordeste
Av. Des. Moreira, 2020 - Sala 106 - Aldeota - Fortaleza-CE
CEP: 60.170-002 - Fone/Fax: (85) 3261-2901 / 3261-7963
e-mail: sindpf@sindpf-nordeste.com.br
©2006-2015 - SINDPF Nordeste - Todos os direitos reservados
876504 visitas

by FORTDesign